A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Marroquina (CCILM), de quem a Associação Empresarial é associada, está a organizar uma missão empresarial multissectorial a Marrocos de 11 a 13 de julho de 2018, onde procurara ir ao encontro dos objetivos específicos dos participantes, facultando contactos diretos com importadores e parceiros locais.

A excelência das relações bilaterais entre Portugal e Marrocos estão refletidas na qualidade do relacionamento político e económico que une ambos os países.

Entre Janeiro e Dezembro de 2017 e de acordo com o INE, Portugal exportou mercadorias no valor 730 milhões de euros para Marrocos (+2,5%) e importou 152 milhões de euros. A balança comercial é, pois, favorável a Portugal, com uma taxa de cobertura superior aos 400%. Por sua vez, o investimento direto estrangeiro (IDE) português é traduzido por mais de duas centenas de empresas lusas implementadas em várias regiões marroquinas.

Com uma taxa de crescimento média de 4% ao longo dos últimos anos, Marrocos conseguiu manter um dinamismo económico sustentável. Os 35 milhões de consumidores e uma classe média cada vez mais representativa proporcionam, pela sua proximidade geográfica e complementaridade, um mercado com um potencial ímpar.

Os centros dedicados à indústria aeronáutica, as extensas redes de autoestradas, de caminhos-de-ferro, os portos e aeroportos, novos metros de Rabat e de Casablanca, e aos vários projetos imobiliários e turísticos constituem a face visível do progresso realizado. As apostas nas energias renováveis e os ambiciosos programas em matéria de turismo e de habitação oferecem perspetivas reais de estabilidade e de desenvolvimento-

Este dinamismo, aliado à segurança e estabilidade politica, potencia o crescimento de todas as fileiras: o material elétrico e eletrónico, os produtos metálicos e metalúrgicos, os materiais de construção, os produtos farmacêuticos e cosmético, os produtos alimentares, os têxteis, o calçado, etc.

De referir, ainda, que Marrocos é um país que dispõe do dito “estatuto avançado” junto da União Europeia. A livre circulação de mercadorias é quase total, estando já a zona de comércio livre a produzir o seu pleno efeito desde o ano de 2012.

Para mais informações contacte o Gabinete de Internacionalização da Associação Empresarial.