A Associação Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto marcou presença no II Fórum MOVE PME que se realizou ontem, 25 de Setembro, no centro de eventos Bissaya Barreto, em Coimbra. Com uma comitiva de cerca de 20 empresários e colaboradores, a Associação Empresarial juntou-se a esta iniciativa promovida pela AIP, que teve como mote principal obalanço intercalar do projeto MOVE PME e novos desafios.

Com um painel de luxo, o presidente da AIP-CCI, Dr. José Eduardo Carvalho, iniciou a tarde agradecendo a presença dos vários empresários presentes e dos convidados que aceitaram o desafio da AIP.

O presidente da Associação Empresarial da Região de Coimbra, Dr. Horário Pina Prata, não quis deixar de reforçar a importância do trabalho das associações empresariais no apoio às empresas. Na presença do secretário de estado, Dr. Nelson de Souza, Horácio Prata, referiu ainda que o bom trabalho de “colocar os fundos nas empresas deve ser continuado”, mas, no entanto, “é necessário dar uma especial atenção às estruturas e infraestruturas envolventes” e que estas devem ser “trabalhadas e melhoradas de forma a permitir o crescimento das empresas.”

O painel de convidados contava ainda com a presença do presidente do COMPETE , Dr. Jaime Andrez, que centrou a sua intervenção na importância da formação no seio das empresas. “A competitividade das empresas depende do investimento, mas é preciso capacitar, qualificar os recursos humanos para tirarmos o proveito máximo desse investimento. A qualificação dos trabalhadores não pode ser vista como uma despesa, mas sim como um investimento”, sendo o programa formação-ação uma “efetiva resposta às necessidades de formação das empresas.”

O Secretário de Estado para o desenvolvimento e coesão, Dr Nelson de Souza, falou da reprogramação do programa Portugal 2020 que se encontra neste momento em curso. Apresentou números que mostram o bom caminho traçado até então, estando Portugal acima da media europeia no que diz à percentagem dos projetos aprovados e executados. “O apoio em Portugal atribuído às empresas com projetos aprovados já absorveu 98% dos apoios disponibilizados, estando Portugal no 2º lugar do ranking europeu em matéria de taxa de aprovação. No que diz respeito a execução, Portugal encontra-se no 3º lugar do ranking europeu, com 28% dos projetos já executados, situando-se a media europeia nos 16%.” Segundo Nelson de Souza, o mérito deste sucesso deve ser dado às associações empresariais, mas principalmente às empresas, aos empresários e seus trabalhadores. O secretário de estado deixou ainda a nota que a aposta na formação-ação será para continuar, uma vez que ela assume um papel “importante na qualificação do tecido humano que compõe as micro, pequenas e medias empresas.”

Dr.ª Catarina Benvindo da AIP, fez ainda uma explanação sobre os números do projeto MOVE PME, e Dr. António Figueiredo da Quarternaire Portugal, apresentou a todos os presentes os resultados do estudo “analise critica das necessidades efetivas da formação continua das PME.

Depois de um pequeno coffebreak, a tarde ficou marcada pelos testemunhos de vários empresários sobre como os programas de internacionalização, implementação de sistemas ou economia digital, tinham sido marcantes no crescimento das suas empresas.